Buscar
  • caetanoz

Segunda Vida | Quadro de Carbono


Não há dúvidas de que a fibra de carbono produz os quadros de bicicleta mais rápidos

e leves. Mas o que acontece com um protótipo em carbono que nunca chegou às lojas, ou um quadro que foi destruído no Tour de France? Enquanto a maioria dos principais fabricantes de bikes mandam essas peças para aterros, a Trek está comprometida com uma opção melhor.

A 120 km da praia de veraneio de Myrtle Beach, na Carolina do Sul, na pequena cidade de Lake City, uma empresa de compostos de carbono obsoletos chamada Carbon Conversions está mudando a trajetória da indústria de carbono peça por peça. Em uma instalação de 4.600 metros quadrados criada e administrada com o mínimo impacto ambiental, a Carbon Conversions usa uma solução patenteada para manter peças de carbono fora de aterros e reutilizar o material em novas peças de alto desempenho. A Trek foi pioneira na produção de fibra de carbono na indústria de bicicletas no início dos anos 1990, e desde então nós desenvolvemos um processo de produção incrivelmente eficiente, com desperdício mínimo de material. Mas mesmo assim, a cada ano, a sede global da Trek em Waterloo, Wisconsin, nos EUA, produz cerca de 27.000 kg de resíduos. Isso inclui protótipos de produtos (de avanços a guidões e para o próximo quadro com design revolucionário), peças moldadas que não atendem a nossas rígidas normas internas e outras peças obsoletas não trançadas, como quadros de carbono substituídos pela garantia e rodas. A cada ano em Waterloo, a empresa enchia três caminhões com materiais que nunca chegariam ao mercado. Por isso, em 2010, a Trek fez uma parceria com a Carbon Conversions para que esses resíduos não fossem jogados no lixo. Desde então, temos o compromisso de apoiar essa extraordinária tecnologia de reciclagem de carbono.

Na Carbon Conversions, um extenso processo de recuperação é realizado em todas as peças da Trek para separar o carbono bruto de outros materiais como resina de epóxi e tinta. As peças são partidas em pedaços menores que 2,5 cm, que são colocados em uma fornalha de pirólise com controle atmosférico e aquecimento elétrico, que retira tudo que não é carbono bruto. Nessa forma utilizável, o carbono bruto é misturado à água em enormes tanques de aço inoxidável. Através de uma dinâmica de fluído computacional patenteada, as pequenas peças de carbono são transformadas em moldes pré-forma que podem ser usados para criar peças de alto desempenho. Seguindo a mentalidade de recuperação de materiais, tudo nesta parte do processo é reciclado. Após a criação do molde pré-forma de carbono, os tanques são esvaziados e limpos, e a água é armazenada para ser usada novamente na criação do próximo molde. Até mesmo os tanques são reciclados, um dos quais tem a altura de um prédio de dois andares. Antes de serem adaptados para realizar esta função na Carbon Conversions, eles eram usados em uma fábrica da cervejaria Anheuser-Busch. O resultado final do processo é um material que possui um extraordinário número de aplicações. Os moldes pré-forma criados em Lake City já foram utilizados para desenvolver diversos produtos, como peças de subestruturas para automóveis de alto desempenho, ferramentas para os cascos de fibra de carbono de barcos a vela de corrida, caiaques e remos de canoa, e até mesmo óculos de sol feitos com fibra de vidro. As possibilidades são inúmeras, mas também existem desafios. A força de um quadro de bicicleta de carbono vem dos filamentos contínuos de carbono, que são moldados e unidos com epóxi. O carbono gerado pelo processo de recuperação não tem a mesma integridade estrutural dos filamentos de carbono contínuos.

"Mas compostos de fibra de carbono descontínua ainda têm extraordinário valor", diz Mark Mauhar, CEO da Carbon Conversions, "mesmo que não tenham a mesma resistência de compostos de fibra contínua e epóxi". Porque nem toda peça de carbono precisa da mesma integridade estrutural dos filamentos de carbono contínuos – nem mesmo em quadros de bicicleta. O produto desenvolvido em Lake City tem amplo potencial, incluindo peças no interior de aeronaves, moldes de injeção reforçados com fibra de carbono para aparelhos eletrônicos e mesmo no mundo do ciclismo de alto desempenho. Considere o seguinte: A indústria de bicicletas adotou a fibra de carbono porque o material é excepcionalmente leve, resistente e eficiente. Para bicicletas, um quadro mais leve significa maior velocidade, pois a potência produzida pelo ciclista é usada com maior eficiência. Quando a mesma filosofia é aplicada em uma escala maior – na indústria automobilística, por exemplo – a eficiência pode significar menor dependência de combustíveis fósseis.


O segredo da Carbon Conversions é desempenho e rastreabilidade do material. Para garantir o desempenho final, é essencial que a Carbon Conversions saiba exatamente onde a fibra de carbono recuperada foi usada antes e o tipo de carbono adquirido. Ou seja, a Carbon Conversions não é simplesmente um ferro-velho onde qualquer fabricante de carbono pode jogar seu lixo. É uma instalação avançada de materiais com um foco claro, um produto extraordinário e um benefício inegável. O que diferencia a Carbon Conversions de outras empresas modernas é que ela criou uma tecnologia que fecha o círculo. As peças recuperadas da Trek e de outros fornecedores em todo o mundo estão atualmente sendo usadas. Por exemplo, se você tem um laptop com uma estrutura de carbono e já substituiu um quadro de carbono da Trek pela garantia, é possível que seu laptop seja feito com fibras do quadro que você usava.

Certo, a chance disso é muito pequena, mas o importante aqui é que as peças de carbono que a Trek produz em Waterloo não estão mais indo para aterros sanitários. Estão tendo uma nova vida que carrega o espírito do que fazemos, e isso é algo emocionante para nós. Diante desta tecnologia, podemos nos perguntar por que os fabricantes de bicicleta ainda mandam peças para aterros sanitários. A verdade é que reciclar é mais caro. Enquanto o custo de enviar peças para o aterro é de 2 centavos de dólar por libra, o custo para reciclar o mesmo material é de 13 centavos. Para a Trek, esse é um investimento que vale a pena ser feito. Porque não se trata apenas de um investimento no ambiente, mas da certeza de que nós podemos fazer algo melhor do que aterros. Criar as melhores bicicletas de alto desempenho do mundo dever ter impacto apenas positivo. Você tem uma bike ou peças antigas de carbono? Não jogue fora. Envie um e-mail para carbonrecycling@trekbikes.com para saber como você pode dar uma nova vida à sua bike.

Fonte: Trek Bikes

#Carbono #QuadrodeCarbono

0 visualização

Bike Tech Jardins - Rua da Consolação, 3.350 - Jardins - São Paulo/SP

CICLISMO EXTREMO COM. DE ARTIGOS ESPORTIVOS LTDA. EPP - CNPJ.: 05.784.722/0001-06

© 2018 by Bike Tech Jardins